corrida

Como é correr em Formosa

Percorrer as ruas de Formosa praticando a corrida garante qualidade de vida e também uma relação mais próxima com a cidade, contemplando suas belezas naturais, e estreitando relações com os cidadãos que passariam despercebidos devido às outra atribuições diárias. Hoje o Formosa Agora inicia uma série de matérias sobre os desafios e benefícios de praticar um esporte amador pelas ruas da cidade. Para falar em nome dos corredores, convidamos os administradores do grupo de corrida gratuito Top Run – Ases do Asfalto, Najildo Machado (corredor há 7 anos), Carla Montalvão (corredora há 4 anos), Helder Freitas (corredor há 3 anos).

 

“Corrida é vida”

O amor pela corrida é visível no olhar dos três. É como se ao praticar uma atividade física eles reencontrassem o que há melhor em si, fazendo do momento um dos mais felizes do dia, conforme disse o Helder. Devido ao cansaço físico causado pela dificuldade da atividade, Carla Montalvão explica que passa o pensamento de parar, mas só de ver alguém correndo, já quer correr também. “Tem dias que eu me pergunto o que eu estou fazendo aqui. Depois que vc termina o percurso, você quer começar de novo. A corrida pra mim é vida!”.  

 

Prática da corrida em Formosa

Sem a infraestrutura adequada para oferecer aos praticantes da corrida uma atividade física de forma segura, Formosa ainda precisa evoluir em questões de sinalização, local propício, segurança e conscientização dos motoristas que disputam o espaço com os corredores. Para evitar alguns incidentes, o grupo se reúne para correr junto em pequenos pelotões que garantam mais segurança. “Posso dizer que a cidade oferece condições para a prática do esporte porque o básico que precisamos é o ar livre e um tênis, mas a estrutura e segurança disponibilizada pelo Estado é pouca”, explicou Najildo.

 

O que poderia melhorar em Formosa

De forma emergencial os corredores citam a questão da iluminação que poderia ser melhor, já que em alguns trechos fica perigoso passar a noite e também calçadas mais planas. Mas, além disso, eles citam que o ideal mesmo seria um lugar apropriado para a atividade, como uma pista no Parque Olímpico, obra que foi entregue inacabada para a população e hoje encontra-se fechada. Outro ponto indicado por eles é o calçadão da Mata da Bica, que já foi uma pista de corrida, e com a segurança apropriada seria ideal.

 

Relação mais próxima com a cidade e com os formosenses

A procura pela corrida em Formosa tem aumentado, fato que Helder e Najildo atribuem às facilidades de praticar o esporte como o baixo custo. “A corrida é democrática! Qualquer um pode começar a correr, basta calçar um tênis”, explica Najildo. O mais legal, é que ao ingressar em um grupo ou começar a atividade, o atleta acaba conhecendo e se aproximando de outras pessoas. E quando alguém avisa que vai correr, logo outros membros se sentem motivados a ir também. “Nós buscamos ter o relacionamento com pessoas, acolhê-las. A gente marca corrida piquenique, pra acolher e motivar as pessoas do grupo, saber quem é a pessoa que está correndo com você e ser motivada a fazer amizades”, conta Helder.

Outra coisa interessante é que ao correr, os praticantes em um momento consigo pode observar as belezas da cidade, e também seus problemas, como forma de tentar ajudar a como melhorá-la.

 

Top Run – Ases do Asfalto

O grupo de corrida surgiu há 3 anos a partir de um grupo de amigos no whatsapp que marcavam de encontrar para correr. No início eram cerca de 10, e hoje, são quase 200 participantes. A ideia principal do Top Run é promover saúde e incentivar as pessoas a correrem. “O grupo mudou a vida de muitas pessoas dessa cidade. Gente que tinha doença, depressão e sequer sair de casa, depois do grupo é outra coisa, disse Carla.  Como o Top Run não é uma assessoria esportiva, eles aceitam pessoas de outros grupos para correrem junto com eles e também seus membros podem correr com outros grupos. Não é cobrado nenhum valor para os participantes.

 

Comente!